O paranaense Lourival Lopes é o autor de mais de 14 livros escritos que já venderam quase três milhões de exemplares.

Com mais de 70 anos de idade, Lourival Lopes é sempre sorridente, amável e está sempre pronto a ajudar o próximo. Não se preocupa em ser best-seller, nem promove noites de autógrafos. Mas bem que poderia, afinal, com este número de livros vendidos, não deixa nada a desejar frente a muitos acadêmicos.

“Distribuir amor” é o lema de quem se dedica a obras filantrópicas e trabalhos voluntários. “Mas preste atenção que só ama o próximo, quem sabe amar a si mesmo”. Lourival gosta de citar fatos, contar casos e ensinar com exemplos.
“Faço tudo com amor e da melhor forma possível, assim meu risco de errar é menor”.

Quem fala com Lopes é cativado pelas palavras de conforto e de esperança.
O primeiro livro, "Amor em Ação", editado em 1982, logo se tornou um sucesso de vendas. Seus livros têm como conteúdo mensagens pequenas e rápidas, que ocupam uma página e “têm o objetivo de tocar o coração, a mente e mudar o modo de encarar a vida de quem os lê”.

Lourival Lopes nasceu em Borrazópolis, Paraná, em 1937. Da mãe, dona Joana, paulista, herdou o temperamento calmo, observador, contemplativo e a concentração. Do pai, o paranaense Zacarias, a impetuosidade, o arrojo e a persistência para vencer os obstáculos da vida.

Lourival Lopes acredita que a morte não é o fim de tudo. É uma passagem para outra dimensão. “A pessoa paga suas maldades numa outra esfera da existência. Mas não pense que fica por isso mesmo, muito pelo contrário, o ajuste de contas inicia aqui”, observa o escritor-radialista.

No final dos anos 70, em Brasília-DF, Lourival Lopes ajudou a criar o Centro de Valorização da Vida (CVV), entidade nacional, sem fins lucrativos, destinada a prestar auxílio às pessoas com dificuldades para tocar a vida.

Em 1980, criou o seu próprio serviço voluntário, com a finalidade semelhante ao CVV, acrescentando a filosofia de que o plantonista deveria não somente ouvir, mas dialogar abertamente com quem consulta o serviço. Chamou-o de CEO – Central de Paz e Otimismo.

Com relação ao filho mais velho, Lourival tem uma história mediúnica para contar, o que o fez entender o porquê da escolha do nome dele. “Certa vez, ao levar um amigo num Centro Espírita, o médium acercou-se de mim e disse que numa outra dimensão da vida, eu fora um padre católico, que prestara meus serviços em Angola. Meu nome seria Augusto e, por várias ocasiões, questionara a doutrina Cristã. O médium explicou que a razão de escrever livros de mensagens, era para me redimir desta insubordinação.”

A alusão aos livros, foi feita pelo médium sem ele conhecer Lourival e nunca ter ouvido falar de sua obra. Anos antes, na época do nascimento do filho mais velho, dona Vera lhe perguntara que nome dar ao filho. Ele declinou de escolher. “Vera, para você que o carregou nove meses é muito mais sensato escolher o nome”. Dona Vera ainda insistiu, “vou colocar Eduardo, mas e você? Como o chamaria?” Lourival sem pensar, respondeu de pronto, como se a resposta estivesse fabricada na mente: “Augusto”. O nome do filho mais velho é Eduardo Augusto. Mesmo nome do padre em Angola.

Diariamente, no início da programação matinal da PopMix RádioWeb, Lourival Lopes tem um papo gostoso, agradável e carinhoso com os ouvintes da "PopMix", em seu programa VIVENDO COM OTIMISMO, com a participação especial da amiga, a psicóloga Edith Piccionni.
PUBLICIDADE